12
Foto: Freepik

Câncer laboral preocupa e MTE cria grupo para estudar medidas de prevenção

Saúde

O câncer ocupacional, causado pela exposição durante a vida laboral à agentes cancerígenos presentes nos ambientes de trabalho, representa de 2% a 4% do total dos casos de câncer no Brasil. Os fatores de risco podem ser externos ou hereditários, estando ambos relacionados e interagindo de várias formas para dar início às alterações celulares presentes na etiologia do câncer. Os tipos mais frequentes de câncer relacionados ao trabalho são os de pulmão, pele, bexiga e leucemias. Alguns agentes estão associados a estes cânceres como amianto, hidrocarbonetos policíclicos aromáticos, arsênico, berílio, radiação ionizante, níquel, cromo e cloroéteres.

Com o objetivo de aprofundar os estudos sobre medidas e procedimentos de prevenção referentes à exposição ocupacional a agentes cancerígenos, o Ministério do Trabalho, por meio da Portaria 741/2018, criou o grupo de estudo a ser composto por representantes do governo, da patronal e dos trabalhadores.

O diretor da CNTS e dirigente da Nova Central, Mário Jorge Santos Filho, integra o grupo – representando a central – e reafirma a importância do tema para a saúde dos trabalhadores da saúde. “Nossa contribuição neste grupo se dará na proteção integral dos trabalhadores. Sabemos que o nível de risco profissional no contato com agentes cancerígenos varia de acordo com as condições de trabalho e de exposição profissional. Neste caso, a implementação de normas de segurança se faz necessária tão quanto a fiscalização da aplicabilidade delas”.

Além disso, segundo Santos, “o empregador deve assegurar a formação adequada e suficiente dos trabalhadores e dos representantes dos trabalhadores para o início de uma atividade profissional que implique o contato com agentes que possam desenvolver câncer nos trabalhadores”.

A prevenção primária, com intervenções nos locais de trabalho, tem potencial maior de sucesso, não apenas evitando o surgimento de câncer, como reduzindo substancialmente a proporção de óbitos pela doença. Levantamento recente do Ministério da Saúde apontou que as exposições mais comuns foram à radiação ultravioleta da luz solar – atividades de trabalho sob exposição solar, principalmente entre pescadores e agricultores, aumentam o risco de câncer de pele – e ao fumo do tabaco presente em muitos ambientes de trabalho. Estes dois agentes, contribuíram para cerca de metade de todos os casos. (Com informações Biblioteca Virtual do Ministério da Saúde)

Notícias relacionadas

Siga a CNTS
nas Redes Sociais