Responsive image

Confederação Nacional

dos Trabalhadores

na Saúde

Responsive image

Mais de R$ 2 trilhões deixam de ir para os cofres da Previdência, aponta CPI

Data: 13/07/2017 16:57:00

Especialistas e entidades de diversos setores da sociedade que já participaram da Comissão Parlamentar de Inquérito - CPI, que investiga o suposto déficit da Previdência Social, apontado pelo governo, entre eles, os fiscais da Previdência, apresentaram farta documentação comprovando que a soma dos desvios, das sonegações, das dívidas da Desvinculação das Receitas da União - DRU chegam a mais de R$ 2 trilhões de reais, montante que poderia estar nas contas da Previdência. “ A missão da CPI é árdua e aos poucos está clareando a sociedade que a Previdência não possui déficit algum”, afirma Paim.

O presidente da CPI, Paulo Paim (PT/RS) afirmou durante o balanço das atividades da Comissão, que a reforma da Previdência é desnecessária e não tem razão de ser colocada em prática. “A CPI está mostrando a verdade. Ela está provando que a Previdência é superavitária. É uma questão de gestão, de organização, de combate à sonegação, de fiscalização, de arrecadação e de não permitir desvios para outros fins”, disse.

BALANÇO

Entre as conclusões da CPI levantadas nas audiências, foram apontadas divergências conceituais sobre as receitas tributárias que financiam a Previdência Social no Brasil. Nas apresentações, especialistas disseram que o governo federal elabora a contabilidade previdenciária a partir das próprias convicções e não baseadas na Constituição Federal. Isso demonstra que o déficit defendido pelo governo contém incongruências técnicas.

A CPI tem como meta investigar as contas da Previdência Social e esclarecer com precisão as receitas e despesas do sistema do ponto de vista contábil, financeiro, orçamentário, operacional e atuarial. Dessa forma, durante as audiências públicas, especialistas destacaram que a legislação tributária brasileira possui contradições e brechas que facilitam a sonegação e a discussão do débito tributário com a utilização de mecanismos processuais e de ordem legal e estabelecem uma espécie de “planejamento tributário”, como exemplo, o Programa de Recuperação Fiscal – Refis. Além disso, os convidados chegaram à conclusão de que a Previdência, assim como outras áreas públicas e estatais precisam que “todos paguem para que todos paguem menos” e assim possa alcançar um desenvolvimento para o país a partir da manutenção e aplicação em tempos de crise, de programas sociais eficientes e de proteção aos mais vulneráveis.

A Comissão constatou também que há uma total impunidade em relação àqueles que cometem os crimes contra à Previdência, como a sonegação e apropriação indébita. Segundo os especialistas, está comprovado que os estudos apresentados pelo governo em relação aos dados demográficos, de expectativa de vida e do crescimento do Produto Interno Bruto - PIB são frágeis, inconsistentes e sem critérios técnicos mais rigorosos.

De acordo com os especialistas, a questão mais grave, são as informações de que o governo agrega na contabilidade previdenciária despesas que, em tese, deveriam ser financiadas com recursos do orçamento fiscal e não da Seguridade Social. Observam que apesar do agravamento do déficit apontado pelo governo, medidas paralelas estão sendo adotadas no sentido contrário a redução de gastos, algumas derivadas do impacto da reforma trabalhista.

A CPI uniu também informações por meio dos debates em que a exclusão das contribuições sociais que deveriam, em tese, financiar a Previdência junto com a Seguridade Social, como o COFINS, a CSLL e as receitas do PIS/PASEP, e loterias, “são forjadas pelo governo por meio de um resultado orçamentário artificial e negativo com a intenção de agravar o déficit e forçar a aprovação da reforma”, afirmou o presidente da Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal - Anfip, Vilson Antônio Romero.

Má gestão do governo

Especialistas cobram mais rigorosidade e transparência da administração pública, além da necessidade de ampliar o diálogo do governo com a sociedade. Criticam a falta de educação previdenciária para que a contribuição seja estimulada entre os cidadãos. Defendem uma auditoria independente nas contas da Previdência e a criação de mecanismos mais ágeis para a cobrança da dívida ativa. Os palestrantes chamam de um falso déficit da Previdência apresentado pelo governo federal, e ponderam que o sistema previdenciário é superavitário, o que desmente o discurso do governo. De acordo com os levantamentos da Anfip, entre 2012 a 2015, houve uma sequência de superávits na Seguridade Social, que somam R$220 bilhões.

É unânime o pedido de solicitação de revisão das isenções previdenciárias para entidades filantrópicas, o fim das desonerações das contribuições sobre a folha de pagamento das empresas e a Desvinculação de Receitas da União (DRU) sobre o orçamento da Seguridade Social. Eles argumentam que segundo levantamento da Anfip, a DRU retirou R$ 284,5 bilhões do orçamento da seguridade entre os anos de 2012 e 2015.

Além disso, os convidados solicitam combates às fraudes na concessão, revisão sistemática dos benefícios, principalmente de incapacidade, necessidade de uma auditoria de fiscalização mais rigorosa e recuperação da dívida como alguns meios viáveis para o futuro da aposentadoria dos brasileiros. Apontam que existem problemas de gestão na Seguridade Social e não de estrutura. Sendo assim, é preciso melhorar os processos administrativos do INSS com o objetivo de evitar a judicialização de problemas dos segurados.

Os especialistas pedem também o combate à sonegação fiscal, a exigência das autoridades competentes responsáveis pela gestão, no âmbito da Secretaria da Receita Federal e da Procuradoria da Fazenda e a efetiva cobrança das dívidas ativas e uma revisão das alíquotas de contribuição para a Previdência Social do setor do agronegócio.  (Fonte: CPI da Previdência)